segunda-feira, 24 de março de 2008

Um adeus

Não um adeus distante
Ou um adeus de quem não torna cá,
Nem espera tornar. Um adeus de até já ,
Como a alguém que se espera a cada instante.
Que eu voltarei. Eu sei que hei-de voltar
De novo para ti, no mesmo barco
Sem remos e sem velas, pelo charco
Azul do céu, cansado de lá estar.
E viverei sem ti como um eflúvio, uma recordação.
E não quero que chores para fora,
Amor, que tu bem sabes que quem chora
Assim, mente. E, se quiseres partir e o coração
To peça, diz-mo. A travessia é longa...

Não atino talvez na rota,
Que nos importa, aos dois, ir sem destino?

Álvaro Feijó

1 Comentários:

Às 25 de março de 2008 às 11:14 , Anonymous Anónimo disse...

Obrigada, Gaivota Maria, por continuar a oferecer-nos momentos tão bonitos e sentidos como este belo poema de Álvaro Feijó.
É sempre um encantamento visitar este blogue.
Continuação de bons voos
gaivota do sul

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial