terça-feira, 8 de julho de 2008

FADO

Outro nome tem o fado,
pode ser o meu destino:
a vida a passar-me ao lado,
um desejo em desatino.

Olhar por cima do céu
quem anda em baixo na terra:
ser inocente e ser réu,
amar a pá que me enterra.

Não saber aonde vou
quando parto deste porto,
nem dizer a quem ficou
se estou vivo, se estou morto.

Se teu sonho me procura
nada tenho a dizer:
pode ser já noite escura,
ser treva um sol a nascer.

Mas se um dia te olhar
sem saber como te chamas,
há-de haver no teu andar
a sombra que tu reclamas.


Esta sombra que eu guardei
no bolso da nossa história,
corpo que nunca abracei,
cinza de antiga memória.

E não me digas que é triste
o que nunca aconteceu:
não vês o que não existe,
nem morre o que não nasceu.

Nuno Júdice

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial