segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

CARTA DO PERÚ DOS OLIVAIS

Adorada perua:
Há dias que, diante do patrão,
ando de rua em rua
não sei por que razão.
Como tu viste, o homem resolveu
fazermos em Lisboa a consoada,
para me divertir, suponho eu.
Porém, se adivinhasse esta estopada,
tinha-lhe dito logo que não vinha,
tanto mais, tanto mais, não vindo tu,
minha peruazinha,
por quem morre de amor o teu perú.
É para ver a terra? Não percebo,
pois mal ergo a cabeça para o ar
trabalha logo a cana do mancebo
e continuo a andar, a andar, a andar...
Às vezes lá paramos, mas estranho
também estas paragens,
porque me agarram certas personagens,
tomam-me o peso, notam-me o tamanho
e até (Deus me perdoe se ouço mal!)
discutem o valor,
como se eu fosse, amor,
uma coisa venal!

Adeus. Com isto não te enfado mais.
Havendo novidades
escrevo. Mil saudades
e beijos do

Perú dos Olivais

II

Meu anjo... Escrevo agora na cozinha
duma senhora muito delicada,
que me tem dado esplêndida papinha
assim como a criada.
Há pouco ainda (ora imagina, filha!)
deram-me até um copo de Bucelas
que me adoçou muitíssimo as goelas
e é uma verdadeira maravilha,
mas Deus queira, Deus queira
como só bebo água lá em casa,
que não me faça mal à mioleira
e que eu não fique com um grão na asa.
Amanhã te direi o que é passado.
Recebe mil bicadas cordiais
do teu apaixonado

Perú dos Olivais

III

Querida. Água a ferver... Uma panela
ao pé dum alguidar... tenho receio...
Fala-se em cabidela
e em perú de recheio...
Afia-se uma faca... Ó céus! Que horror!
O monco já me cai... Nunca supus...
Que é isto meu amor?
Ai Jesus! Ai Jesus!
Já tenho as pernas presas...
Tolda-se a vista... Engasgo-me... Agonizo...
Tremem-me as miudezas...
Turva-se-me o juízo...
Adeus: Recebe o último glu-glu
e os corais
do in... fe... liz
Pe... rú... dos O... li...vais


Poema de Acácio de Paiva
(Poeta da 1ª metade do séc. XX)

2 Comentários:

Às 21 de dezembro de 2009 às 21:53 , Anonymous Anónimo disse...

Não conhecia este poema com as últimas cartas do Perú dos Olivais à sua querida Perua... um mimo!
Espero não me lembrar delas quando estiver a preparar o meu perú do Natal!...

Boas Festas
gaivota do sul

 
Às 22 de dezembro de 2009 às 12:36 , Blogger Gaivota Maria disse...

Conhecia este poema porque ele vinha num manual de Português do ciclo. Perdera-lhe o rasto mas a Internet salvou-mo. Continuo a achá-lo um espanto sobretudo porque não cozinhamos peru. Mas lembro-me bem de isto se fazer em minha casa quando era pequena e euficava horrorizada por assistir à bebedeira dele. Um beijinho e um muito Bom Natal

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial