sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

NATAL III

Na tal habitação volto a falar-te
Na tal que já eu-próprio não conheço
Na tal que mais que tálamo era berço
Na tal em que de noite nunca é tarde

Na tal de que por fim ninguém se evade
Na tal a que sei bem que não regresso
Na tal que umbilical cabe num verso
Na tal sem universo que a iguale

Na tal habitação te vou falando
Na tal como quem joga às escondidas
Na tal a ver se tu me dizes qual

Na tal de que eu herdei só este canto
Na tal que para sempre está perdida
Na tal em que o natal era Natal

David Mourão-Ferreira

2 Comentários:

Às 19 de dezembro de 2009 às 18:21 , Blogger Graça Pimentel disse...

Que giro! Há mesmo concidências. Depois de pores este poema aqui, foste ouvi-lo no jantar. Achei engradaíssimo.

beijinho

 
Às 20 de dezembro de 2009 às 10:42 , Blogger Gaivota Maria disse...

Quem resiste ao David Mourão Ferreira? Mas olha que arranjar uma poesia sobre Natal com qualidade é difícil. Se bem que tenhamos sempre o Torga para procurar. Bom domingo. Um beijo
PS - os teus netos ainda não rabiscaram o gesso?

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial