quarta-feira, 16 de julho de 2008

CONFISSÃO

Gosto de pasmar,
ver nas árvores gigantes bons
e, nas nuvens, mensageiros de outros reinos.

Gosto do silêncio,
da fuga a palavras vãs,
que agigantam a poeira e escondem a essência.

Gosto do som do vento,
da força do olhar,
do gesto que afirma e acaricia.

Gosto do mistério,
da verdade escondida,
que não cansa nem explica tudo.

Gosto da dúvida e da incerteza
próprias do ser homem,
molas do avanço do mundo.
Mundo que é obra em aberto,
espaço para homens que afirmem o imponderável da vida
e pintem o colorido da existência.

Alexandre P.



1 Comentários:

Às 17 de julho de 2008 às 00:00 , Anonymous Anónimo disse...

...e eu gosto do que tenho lido (e descoberto) de ti.

PC

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial