segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

PARA UM ANÓNIMO QUE ANDA A DESENQUIETAR AS GAIVOTAS

na asa do gavião
uma pétala de susto
amedronta a palavra......

e eu, qual mortal,
sopro no suspiro
que suspirou meu coração.


João Videira Santos

4 Comentários:

Às 28 de janeiro de 2009 às 21:57 , Anonymous Anónimo disse...

Estou a entrar nas minhas rotinas.Com que então o gabion não gostou das urtigas! Mas este poema é de o deixar de asa derubada.

ó, gabion que tal misturar as urtigas com as tais violetas,que deram tanto que falar?Dava cá uma salada!

Até eu já troco r(derrubada)

Vá lá procure nos jornais as suas preferências.É para ter medo destas gaivotas,mas nós prometemos não o apanhar.Todavia cautela com a g maria.Ela domina totalmente estas máquinas.

um suspiro par ti g.maira-nunca mais vem o sol

g .mimi

 
Às 29 de janeiro de 2009 às 19:40 , Blogger Gaivota Maria disse...

Vai esperando pelo sol. Pode ser que o Gabion o traga

 
Às 30 de janeiro de 2009 às 14:55 , Anonymous Anónimo disse...

Posso saber quem é o gabion?...
Tb faz parte do bando?
Acho bem porque as gaivotas sentem-se mais acompanhadas nos seus voos pela cidade, agora que o tempo está péssimo.

um abraço leve nas asas

Gaivota do vento

 
Às 30 de janeiro de 2009 às 17:44 , Blogger Gaivota Maria disse...

Seja bemvinda ao bando, Gaivota do vento. Também nós gaivotas gostaríamos de saber quem ele é. Tive uma leve esperança que fosse o Richard Gere mas pelos vistos não é. Quem quer que seja gostamos de o ter connosco. Um macho sempre anima as coisas, sobretudo quando é irreverente como este oarece ser.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial