terça-feira, 1 de abril de 2008

As pequenas gavetas do amor

Se for preciso, irei buscar um sol
para falar de nós:
ao ponto mais longínquo
do verso mais remoto que te fiz
Devagar, meu amor, se for preciso,
cobrirei este chão
de estrelas mais brilhantes
que a mais constelação,
para que as mãos depois sejam tão
brandas
como as desta tarde
Na memória mais funda guardarei
em pequenas gavetas
palavras e olhares, se for preciso:
tão minúsculos centros
de cheiros e sabores

Só não trarei o resto
da ternura em resto esta tarde,
que nem nos foi preciso:
no fundo do amor, tenho-a comigo.
quando a quiseres.

Ana Luísa do Amaral

1 Comentários:

Às 2 de abril de 2008 às 13:58 , Anonymous Anónimo disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial