quinta-feira, 19 de março de 2015

CARTA AO MEU PAI


Partiste quando menos eu o esperava e demasiado cedo para cumprires tudo quanto te propunhas a nível pessoal e profissional. Apesar de saber que declarada a doença pouco tempo te restaria, sempre esperei que pudesses ainda ter algum para me acompanhar nas coisas boas que esperavas da vida que sonhaste para mim. Não te tive ao meu lado na minha formatura, não me levaste ao altar no dia em que casei, não conheceste as tuas netas. Uma delas escolheu o teu nome para o filho que teve, o único rapaz nos 3 bisnetos que tens. Por isso continuamos a ter um João cá em casa. Não sei se onde estás os poderás ver. Todos são lindos e saudáveis de corpo e de espírito.
O nascimento deles aumentou as minhas saudades de ti. A minha família já não tem cabeça. Faltas tu e a minha mãe. E isso faz-me viver em saudade. Mas falo muito de vocês à minha ninhada.
Para comemorar o dia de hoje, o Dia do Pai, não vou escrever nenhuns versinhos como
os que gostavas de receber. Prefiro aqui deixar duas fotografias que são muito especiais para mim. Uma porque é do primeiro dia em que me lembro de ter ido lanchar a uma confeitaria no Porto e depois ter subido contigo a Rua de S. António. Claro que não a fiz toda a pé. Já entrei em S. Catarina ao teu colo. Tinha então cerca de 3 anos. A segunda é da minha única festa grande em que te tive ao meu lado: a da minha festa da Comunhão Solene.


A subir a Rua de S. António
Dia da minha Comunhão Solene



















Tenho saudades tuas, Pai. Dá por mim um beijo à Mãe e continuem os dois a olhar não só por mim  mas, agora, por nós. A nossa família está maior. Um beijo para ambos

2 Comentários:

Às 26 de março de 2015 às 00:23 , Anonymous Anónimo disse...

Que saudades eu tenho também dos meus.Fez-me bem ler a tua carta.


Um beijo muito especial

MI

 
Às 28 de março de 2015 às 12:15 , Blogger ESCRIVA disse...

Como não haveríamos de ter? Adorava que o meu pai tivesse conhecido as netas (tem uma igual a ele) e que ele e a minha pudessem ter visto os bisnetos. É uma dor que guardo na alma.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial