quarta-feira, 19 de novembro de 2008

ESTRANHO É UM AMOR

Estranho é um amor
Quando feito
De encontros e desencontros
Ausências e presenças
Silêncios e palavras.

E mais estranho ainda
Quando vive nas almas
E não nos corpos
Que servem apenas de disfarce
Aos muitos sentimentos
Partilhados, mas escondidos.

Talvez porque é singular
Gostaria de viver um amor assim

Se ele fosse para sempre
E mais um dia.


im

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial