sexta-feira, 1 de maio de 2015

EMPURREI O AMOR PARA DENTRO DO POEMA


Empurrei o amor para dentro do poema
Para que ele copiasse
A forma, o ritmo e o nexo
Que o poema tem.
Foi uma tarefa impossível, porém.
O amor não é matéria
Logo não se adapta
À forma das letras
E muito menos cabe nas palavras
Que a métrica exige.
Tentei dar-lhe ritmo
Só que como o amor é surdo
Não respeita cadência nem padrão.
E dar-lhe nexo foi fatal
Porque, ávido como é,
Se dispersa em rumos diversos
Conforme melhor lhe convém
Ou mais lhe agradam os versos.
Convenci-me então
Que era impossível
Arrumar o amor num poema.
Assim, para evitar que se perdesse por aí
Ou se metesse em algum problema
Peguei nele, afaguei-o
E com cuidado
Guardei-o de novo no meu coração

SS

2 Comentários:

Às 13 de maio de 2015 às 15:13 , Blogger Alfredo Anciaes disse...

Poema muito bonito e muito profundo.

 
Às 17 de julho de 2015 às 18:01 , Blogger Gaivota Maria disse...

Obrigada

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial