sexta-feira, 11 de março de 2016

Olhaste no fundo dos meus olhos
e adivinhaste-me
tornando tuas as pequenas coisas
que eu julgava guardadas só em mim.
Leste o livro dos meus sonhos
e partilhaste-os  com os teus,
num escrito  a duas mãos
que mais do que de amor nos fala de vida,                 
da imagem do nosso  dia-a-dia,
desta estranha maneira de ser e de estar.

Se alguém  o  conseguir ler
evite  criticar.
Limite-se apenas  a entender
que há mil modos distintos de cada um sentir
o que vulgarmente se designa  por “amar”.


SS

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial