quinta-feira, 8 de maio de 2008

ISOLABELLA

Cada um de nós tem uma ilha, nem que seja em ficcão onde guardamos os nossos afectos e segredos e é o nosso porto de abrigo, mesmo que seja virtual A gaivota do sul voou até à sua ilha real.Para ela aqui fica o poema

Quero levar-te àquela ilha

onde serás amado,

onde serás aceito

do jeito

que és.


Onde podes tirar a máscara

e deixar esplender

teu rosto.

Onde minha ternura

não se espantará

com teu grão de loucura;

onde minha paixão não diminuirá

com tua parcela de medos;

onde podes ser o que és,

naturalmente,

e mesmo assim

farei de ti

um rei.

LYA LUFT

1 Comentários:

Às 8 de maio de 2008 às 19:45 , Anonymous Anónimo disse...

Querida Gaivota Maria,
Que bonito poema, obrigada.
Tenho pena de não poder ouvir as músicas, mas... este computador é mudo... vou lendo as palavras escritas, o que já não é nada mau.
O tempo por cá tem estado bastante bom e esta ilha é um paraíso para quem necessita de descansar. Para mim é muito revigorante passar aqui uns dias e fico sempre com vontade de voltar.
Já vi que passsou pela RM e fiquei a saber que se prepara para ir até Roma! Que bom! Desejo-lhe uma óptima viagem. É realmente uma cidade lindíssima e que apetece rever. Descanse, divirta-se e até à volta.
Um bater de asas para todas as gaivotas
gaivota do sul

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial