quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

PERDI O HÁBITO DE TI

Perdi o hábito de ti.
A ausência
Preencheu o teu lugar
Com inseguranças
Incertezas
E saudades.
Já não sei a cor do teu olhar
E silenciei a memória
Da tua voz.
Por isso
Vivo em confusão
No meio das gentes
E não te encontro
Porque não sei procurar-te.

Busca-me tu
Para que não te perca.
Tira-me desta sombra
Em que me fecho.
Não deixes que me leve
O esquecimento.

SS

5 Comentários:

Às 22 de janeiro de 2010 às 13:18 , Anonymous Anónimo disse...

Poema lindíssimo, parabéns ao autor!

Gaivota Maria, uma boa viagem até à capital. O tempo não está grande coisa, mas também não está muito mau.
Este fim de semana vou até à Ericeira, mas temos de combinar o tal almocinho com a Gaivota Mimi, ela conhece, melhor do que eu, sítios especiais.

Um abraço
gaivota do sul

 
Às 22 de janeiro de 2010 às 13:20 , Anonymous Anónimo disse...

Esqueci-me de referir que estou deliciada com o "fundo musical", assim ainda é mais agradável passar por cá!
Um beijo
gaivota do sul

 
Às 23 de janeiro de 2010 às 22:19 , Blogger Gaivota Maria disse...

Darei por si os parabéns à autora,aescondida por detrás de uma Soror Saudade . A Mimi lhe dirá quem é.
Engraçado: Sabe onde almocei hoje? No Hotel Vila Galé da Ericeira. Depois da Visita a Mafra descemos para o mar. Adorei o sítio, o Hotel e o almoço. será que nos cruzamos em algum momento? Um abraço

 
Às 24 de janeiro de 2010 às 02:22 , Anonymous Anónimo disse...

NO ES SIMPLEMENTE UN ACTO DE RUTINA
el ladear
la testa para el beso.
No lo es ni tampoco el cerrar los ojos
ante el miedo y la mortaja.

Porque somos diferentes, así como el futuro
tiene la forma de un pomelo que se extravía en
las esquinas cuando el paso aligeramos.

Puesto que no necesitamos demasiado. Únicamente
el fuego no la vida; ni siquiera
el alabastro en el tejado.
No repetiremos el hablar cansino del anciano, pues
no somos la piedra que se
funde eterna en el zapato.

Yo me declaro indigente, y no me hace
falta el cuerpo ni la muerte.
Me pertenezco hasta el hartazgo.

(Reinhard Huamán Mori)


Venho passear por aqui várias vezes. o tempo de lazer não é muito, mas ler poesia é um hobby de juventude.
Boa semana e alegres voos para si.

Jorge Antunes

 
Às 24 de janeiro de 2010 às 10:57 , Blogger Gaivota Maria disse...

Linda esta poesia.Vai ficar aqui guardada até momento oportuno de a postar em aberto. Bom trabalho e muito boa poesia. E um beijo para a mãe que gostará da música que aqui pus hoje´.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial