sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

CHEGUEI HÁ POUCO DO AMOR

Cheguei há pouco do amor (cidade de gaivotas loucas e
luzes cegas). não concordas? eu sei já sei: vês as coisas
como falésias altas e impossíveis como ameias. cheguei há
pouco do amor e trago comigo este discurso aprendiz:

o idealismo. desculpe: o que pensa destas palavras dos
começos desse caminho as dóceis letras da promessa?
perdão perdão: há que passar para o outro lado (um
parâmetro de cada vez). se bem me lembro em pequeno

as cigarras podiam ser domesticadas e cada adeus
era um veneno. obrigado obrigado: também me pareceu
ser essa a sua opinião. cheguei há pouco do amor e

vejo as certezas do mundo como uma ilusão. receio pelo
eterno procuro a fantasia mas: é sempre no ventre
dessas gaivotas que se dão os primeiros beijos

João Luís Barreto Guimarães

Etiquetas:

2 Comentários:

Às 20 de fevereiro de 2010 às 00:09 , Anonymous Anónimo disse...

Cara Gaivota Maria a sua poesia e a do bando de «Gaivotinhas Poéticas» tornam o seu blog uma pérola. Dedico a todas esta poesia.

Bom fim de semana.

Jorge Antunes

Enquanto houver uns olhos que reflectem
outros olhos que os fitam,
enquanto a boca responda a suspirar
aos lábios que suspiram,
enquanto sentir-se possam ao beijar-se
duas almas confundidas,
enquanto exista uma mulher formosa,
haverá poesia!

(Gustavo Adolfo Bécquer)

 
Às 20 de fevereiro de 2010 às 10:44 , Blogger Gaivota Maria disse...

Pérolas destas têm de ser mostradas ao público. Um abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial