domingo, 21 de fevereiro de 2010

QUERO AMAR-TE

Quero
Amar-te
Na invisibilidade das coisas
Quero
Amar-te
Nos contornos das sombras
Do meu quarto
Quero
Amar-te
No ser
Que não defino
E que não vêjo
Quero
Amar-te
No prolongamento do tempo
Alongar-me
Em teu nome
Que não conheço
Viver
Pensar
Que te encontrei
Não te encontrando
Quero
Amar-te
Assim
E só
Assim
Para não deixar
De te
Amar
Projectando
Em nós
Apenas sombras
Do que gostávamos
De ser
E não somos
Porque nem eu
Nem tu
Somos reais
E por isso
Será
Eterno
O meu amor

MC


(Para o J.A-"Eu sou do tamanho do que vejo"-F.Pessoa.

2 Comentários:

Às 21 de fevereiro de 2010 às 20:49 , Blogger Gaivota Maria disse...

Acho que isto merece um lugar de destaque. Por isso tirei-o dos comentários. Um beijinho

 
Às 25 de fevereiro de 2010 às 18:41 , Anonymous Anónimo disse...

Com o meu muito obrigado deixo para MC esta poesia:


MADRIGAL

Tu já tinhas um nome, e eu

não sei se eras fonte ou brisa

ou mar ou flor.

Nos meus versos chamar-te-ei

Amor...


(Eugénio de Andrade)

Jorge Antunes

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial